A gravidez pra mim ta sendo um momento de recolhimento, reflexão, autoconhecimento. É incrível como mudamos e  como muda o que encontra-se em nossa volta. Desde o primeiro dia que aquelas duas listrinhas rosa apareceram em minha frente e no exame de sangue surgiu a palavra “reagente”… Estou mudando.

Não falo somente da consciencia de  agora ter um bebê comigo, falo principalmente da presença de uma mãe. Deixei uma Ana despida e descalça, bem  ali no meio da sala e logo depois no meio de um hospital na frente de uma enfermeira desconhecida. Engraçado que na época a gente fica meio sem acreditar, a ficha só cai mesmo depois de um bom tempo e tenho certeza que não conseguiria pensar da mesma forma até os 4 meses de gestação.Aquela outra Ana que deixei naquele dia do descobrimento, ainda se escondia por trás das paredes brincando de esconde-esconde, mas já faz um bom tempo que ela tomou um outro caminho. Eu sei disso.

E estou em transição…é isso…nada mais que uma transição, como se estivesse dentro de uma bola de ar, estou suspensa.  Um terço dessa bola é o que ficou, outro terço é o que vem junto e a ultima parte é o que eu ainda vou descobrir quando escutar um chorinho em meus ouvidos.

Passo nove meses recolhida, só eu consigo entender que uma lágrima sem motivo aparente, de aflição ou de emoção, faz parte de um processo muito maior, talvez inimaginável pra cabeça de quem tenta entender. Passo nove meses refletindo sobre como serei mãe, como cuidarei de alguem que pra manter-se vivo dependerá da minha força e da minha dedicação.Passo nove meses tentando primeiro me conhecer pra depois de ter meu pequeno nos braços me apresentar como sua mãe e quem sabe, reconhecer que sempre estive ali, esperando por ele.

Eu sou outra pessoa em mim mesma, sou uma pessoa melhor.

Anúncios

12 Comentários

Arquivado em Uncategorized

12 Respostas para “

  1. LINDO Aninha! fiquei emocionada e me identifiquei muito! me vejo mudada a cada dia, deixando aquela outra Anne pra trás. Eu fico horas me imaginando mãe e torcendo para que tudo saia perfeito sempre, mesmo que não seja possível…
    é tão bom ler esse post! me sinto abraçada
    beijoooo!

  2. mulher, vc sabe que eu tbm tô em fases de adaptação da ideia né. minha ficha caiu maomenos ha algum tempo atrás e cada dia que passa ela cai mais! agora que a cesárea tá marcada me bateu um cagasso…não pela cirurgia mas por tudo sabe? uma pessoinha totalmente dependente de mim, eu vou ter que cuidar bem dela e não sei cuidar bem nem de mim! ai que medo. hahaha anseios de ser uma boa mãe..mas penso assim, o amor não nos falta…isso ja é uma certeza de que seremos mães mto competentes. já somos mães no ato de amarmos nossas barrigas.. a ficha vai cair ao longo dos anos eu acho. hahaha por completo, penso que nunca! lindo texto!!

  3. morphews

    se eu te conta que pego a Suriel nos braços e me pergunto como essa criança linda e MINHA veio morar na minha casa, vc acredita?mas é inegavel a melhora na minha vida, o quanto amadureci e me tornei mais confiante.os filhos fazem isso conosco.

    beijos linda!!!amei o seu post!

  4. Aninha, parece que eu que escrevi!!!
    A sensação é tb que mudei tanto, mas não mudei nada!
    Como pode?

  5. Ana Rosa

    Lindo a forma como você escreveu sobre essa transformação tão importante na vida de uma mulher, a maternidade.
    Acho que os 9 meses não servem só para gerar o filho e sim para nos transformar em criaturas mães, somos nós que somos geradas, renovadas,outras. Bjs

  6. Kelly

    Lindo, lindo!

    E qualquer coisa que eu diga vai soar clichê. Só vivenciando mesmo que a gente tem noção na complexidade, da magnitude da coisa. E não para por ai não viu, depois qdo a barriga acaba é outra transformação, outras dúvidas, outras sensações.

    Bjs querida (pros dois)

  7. Só dizer que o texto está lindo seria repetir o que todas as outras disseram antes, mas o que fazer se é a mais pura verdade?

    Mas te digo uma coisa: ser mãe mudou completamente a minha vida. Completamente mesmo! Em parte porque fui mãe solteira e eu não planejei a gravidez do Vítor – apesar de que sempre amei crianças e sempre quis ser mãe (claro que não esperava que fosse tão logo! rs). Só que amei meu filho desde o momento em que ele entrou aqui.

    Qdo engravidei eu trabalhava como jornalista durante a semana e como instrutora de iatismo nos fins de semana. Saía todas as noites, vivia na farra. Assim que descobri a gravidez, me recolhi. Vivia pra mim e pro meu bebê e fiquei assim até ele fazer um ano. E não me arrependo. Minhas atitudes depois que ele nasceu são totalmente outras, sou outra mulher. Por essas mudanças, qdo ele tinha um ano e meio conheci o Gu e hoje estamos casados, felizes e esperando nossa segunda pequena.

    Aff, quase que escrevi mais do que vc! kkkkk

    Beijão e mais uma vez parabéns pelo lindo texto!!

  8. Ana, lindo texto…
    Dizem que na hora que nasce um bebê, nasce uma mãe também! Fica tranquila que amor de sobra pro Vini você já tem, esse é o começo de tudo!
    bjos

  9. Oi, Aninha!

    Eu já tinha lido, mas não tinha tido tempo de deixar aqui escrito o quanto me emocionou. Vou viver relendo, já me vejo.

    Acho melhor não tentar entender o fato de que já uma mamãe. Fica mais simples assim pra mim. E também passei por todas essas maravilhas de uma vontade de me conhecer mais e primeiro. Nossos filhos também sabem por instinto ser ‘filho’ e verá que instinto tem dentro de si quando o Vinícius nascer… Coisa mais linda é ser mãe porque a natureza quis e te surpreendeu. Tá na hora menina! E a gente vai descobrindo do quê a cada segundo.

    Beijo grande,
    Talita.

  10. Maternidade é um divisor de águas. que quando compreendida da forma que vc compreendeu se torna um momento unico, um momento de aprender, de crescer, de se preparar para os melhores dias que você nunca imaginou que aconteceriam. Eu sou bem melhor do que ha 4 anos atrás. A maternidade trouxe pra mim uma capacidade de se colocar ainda mais no lugar do outro, de ser mais humana, de ter um olhar diferente para o mundo.

    Texto lindo, escrito com o coraçao. Me fez lembrar de tantas coisas lindas que me emocionam.

    beijos
    Fernanda

  11. Ana,
    O texto é lindo demais…fiquei emocionada – é assim mesmo…
    bjos querida
    Ser mãe é o melhor presente da vida, de Deus!
    Ótima semana
    Chris

  12. Jane Murback

    Lindo Aninha, essas palavras são as de todas nós, as que esperam e as que já tem seus filhos!
    Bjo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s